terça-feira, 21 de setembro de 2010

MISSÃO, VISÃO E VALORES...

"O que você é grita tão forte em meus ouvidos, que não consigo ouvir o que você diz..." Essa frase eu li em um livro sobre comunicação não-verbal. A intenção é tornar explícito que, nem sempre o que dizemos reflete a verdade sobre nós. As palavras significam o menor percentual na comunicação; gestos, trejeitos e entonação refletem muito mais o que somos.
Tenho lido, freqüentemente, artigos que sugerem às bandas, fazerem uma análise, sobre suas carreiras, seus pontos fortes e fracos, achar sua missão, visão e valores, como uma forma de catalisar o sucesso almejado.
Em parte isso é bom. As ferramentas da Administração são bem vindas ao nosso mundo da música. Não temos como fugir delas no cenário competitivo.
Elas são necessárias para otimizar nossas carreiras.
Mas me parece que existe um componente que está sendo negligenciado... E é por isso que começo esse artigo com a frase acima.
Explico-me.
Quem é extremamente identificado com o estilo regional gaúcho e faz isso do fundo da alma, é isso que comunica em palavras e gestos ao público e, com larga margem de acerto, digo que não teria o mesmo êxito de se comunicar com o público de bandas. E a recíproca é verdadeira...
Devemos ouvir a voz que vem do coração (parece piegas, mas essa é a verdade).
Ela nos diz o que somos. Se cantarmos o que somos (em termos verbais), expressaremos em gesto a mesma coisa o que comunicará ao nosso público, coerência.
Existem verdades absolutas do que somos lá nos recônditos de nossa alma. Valores morais, éticos, religiosos e um sem fim paradigmas que vem a tona toda vez que nos expressamos.
Quando comunicamos algo verbalmente, mas se no fundo não estamos situados com a mensagem, a força do que dizemos não se processa.
E como muito de nossa comunicação se dá em termos inconscientes, ou seja, sem pensarmos racionalmente, o receptor da mensagem irá sentir que algo não está batendo.
Note que artistas de sucesso, que nos servem de referencia, são extremamente posicionados... Não deixam margem para dúvida, do que são... São congruentes entre o que fazem e o que dizem.
 
Prestar atenção a essas questões, além de nos engrandecer como artistas, e nos levar onde queremos (viver de música, por ex), também nos tornam mais maduros, mais conscientes de si mesmos e de nosso papel no mundo, tanto da música, como na sociedade.
 
Muitos destes (artistas) já conquistaram seu espaço de forma intuitiva, quase a maioria, sem precisar passar por esse processo de busca, mais consciente. Mas é exatamente para esses que ainda estão fazendo essa busca, que trago essa reflexão.
Missão, visão e valores, pontos fortes e fracos, se buscadas nos ecos da alma (e é lá que estão as nossas), ajudam e muito. Elementos de administração farão todo sentido quando forem o reflexo do "eu" mais profundo. Caso contrário, mais atrapalha que ajuda.
Juntas, essas ferramentas que posicionam a carreira no mercado, aliados ao alinhamento do que falamos e somos realmente são "instrumentos poderosos do sucesso", com o perdão do trocadilho.
Desejo que sua voz e sua alma falem a mesma linguagem!
Sucesso a todos.

Um comentário:

  1. Oi Daniel! Bem vindo ao mundo das palavras, o qual faço parte com muito orgulho! Colocar na escrita nossas concepções e sentimentos, é algo que requer muita coragem, eu não consigo pensar em outra forma de se expressar que ofereça tanto desafio. De maneira peculiar e autêntica, você conseguiu em palavras colocar a tua sensibiliade enquanto músico. Sucesso sempre e que você se sinta cada vez mais motivado a passear pelo universo das letras.
    Beijos da tua fã e agora seguidora :)
    Néia ( Ponta Grossa/PR)
    Acadêmica do curso de Letras UEPG.

    ResponderExcluir